Cidadania

Fase 5 da flexibilização no RJ causa aglomeração em praias

Suellen Christine Sales da Silva
Escrito por Suellen Christine Sales da Silva em 3 de agosto de 2020
Fase 5 da flexibilização no RJ causa aglomeração em praias

A fase 5 da flexibilização começou no último sábado (1). Com ela, foi autorizado a volta dos banhos de mar. No entanto, as praias do Rio de Janeiro mais uma vez registraram aglomerações. Além disso, as ruas e avenidas fechadas para áreas de lazer também foram pontos de encontros.

Nas praias do Flamengo, Ipanema, Leblon e Copacabana, na zona sul do RJ, além de aglomerações havia pessoas deitadas e sentadas em cadeiras, contrariando as determinações que proíbem os cariocas de ficarem na areia.

O mesmo ocorreu na Barra da Tijuca, na zona oeste. Lá, os banhistas além de estarem na areia, também não usavam máscaras de proteção facial.

Em algumas praias, alguns policiais fizeram abordagem e pediram que os banhistas não permanecessem na areia e não participassem de jogos coletivos. Porém, quando os policiais não estavam mais presentes, os banhistas voltavam a areia.

A saber, com a fase 5 da flexibilização, os vendedores ambulantes foram autorizados a voltar às atividades. Desde que não vendam bebida alcoólica e ofereçam apenas comida industrializada. O mesmo vale para as barracas fixas na areia, que têm permissão de funcionar das 7h às 18h. Estas, não podem alugar cadeiras e nem guarda-sóis.

Nas avenidas Delfim Moreira, no Leblon, e Vieira Souto, em Ipanema, a movimentação era semelhante a antes da pandemia. Assim, pessoas praticavam caminhadas e usavam bicicletas e skates. Entretanto, não usavam máscaras.

Ademais, ainda na fase 5 da flexibilização, a prefeitura estendeu até 1h o funcionamento de lanchonetes, bares, restaurantes, cafés, padarias e estabelecimentos semelhantes. Apesar disso, permanece suspenso o sistema de self-service e música ao vivo.

Além disso, as lojas dos shoppings voltaram a funcionar no horário normal das 10h às 22h, mas as praças de alimentação estão restritas à metade da capacidade. E, o comércio de rua pode abrir aos sábados e aos domingos.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem Somos

“Nosso foco é informar com senso crítico tudo o que existe de mais importante na área da segurança, saúde, emprego e do ir e vir do cidadão brasileiro.”