Grupos de família é o principal vetor de notícias falsas no WhatsApp

O WhatsApp é rede ‘perfeita’ para começar disseminação de notícias falsas porque é considerado muito mais confiável. Metade dos boatos que circularam no aplicativo foi em grupos de família.
O dado desta pesquisa do whatsapp é resultado de uma pesquisa inédita feita pelo Monitor do Debate Político no Meio Digital, da USP (Universidade de São Paulo), com respostas de 2.520 pessoas a um questionário online elaborado pelo grupo.

Após limpar os dados e restringi-los aos boatos mais disseminados; segundo os resultados, os pesquisadores reuniram 1.145 respostas de pessoas que disseram ter recebido variações de textos. Neles, dizendo que Marielle era ex-mulher do traficante Marcinho VP e que havia engravidado dele aos 16 anos. Ou, em menor quantidade, uma foto que supostamente mostrava Marielle sentada no colo de Marcinho VP (não eram ela nem ele na imagem).

WhatsApp é uma das redes mais propícias para a difusão de notícias falsas

O WhatsApp, aplicativo de mensagens por celular extremamente disseminado no Brasil; é visto como uma das redes mais propícias para a difusão de notícias falsas. Como é um aplicativo de mensagens privadas e não tem caráter público; é difícil rastrear as “fake news” espalhadas ali e avaliar seu alcance; o que preocupa pesquisadores, especialmente considerando como isso poderá ocorrer nas eleições brasileiras em 2018. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua de 2016, do IBGE, mostram que a atividade mais popular entre os brasileiros, ao usar a internet, é trocar mensagens por meio de aplicativos. 94,5% dos brasileiros responderam que usam a internet para fazer isso.

Segundo a pesquisa da USP, o boato dominante no caso de Marielle foram variações de um texto ligando a vereadora a Marcinho VP. Foi recebido por 916 pessoas que responderam ao questionário. Dessas pessoas, 51% responderam ter recebido o texto em grupos de família no WhatsApp; 32%, em grupos de amigos; 9% em grupos de colegas de trabalho e 9% em grupos ou mensagens diretas.

A imagem que mostraria Marielle no colo de Marcinho VP foi recebida por 229 pessoas que responderam ao questionário; 41% delas disseram ter recebido a foto em grupos de família.

Agora, caso, de fato, os boatos tenham circulado mais nos grupos de família do que nos outros grupos, temos um dado interessante. Pode ser que grupos de família sejam ambientes mais ‘íntimos’. Que permitam compartilhar seguramente conteúdos mais especulativos sem que quem compartilhe seja alvo de julgamento.

Deixe uma resposta