Vacina contra coronavírus: SP busca voluntários

O governo de São Paulo abriu no último dia 14 o cadastramento para voluntários que tiverem interesse em participar dos testes da vacina da COVID-19. Chamada de CoronaVac, ela é desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech com participação do Instituto Butantan.

No entanto, a nova etapa da pesquisa para a vacina é voltada apenas para profissionais da área da saúde que estejam em contato direto com casos do coronavírus. Além disso, os candidatos devem preencher alguns critérios na hora do recrutamento: COREN; CRBM; CREFITO; CRF; CRM; ou CRN. E mais, a pessoa também não deve apresentar outras doenças crônicas, não pode estar grávida e nem estar em fase de testes para outras vacinas.

Após o voluntário ser aprovado na pré-seleção, ele terá acesso aos endereços dos centros de pesquisa que devem ser procurados para iniciar todos os processos necessários de confirmação. Todas as informações são sigilosas durante o processo.

Vacina contra o coronavírus e fase três

A fase 3 de teste para a vacina será inciada no Brasil no próximo dia 20 com a participação de humanos. O mesmo modelo foi aplicado em macacos e apresentou resultados expressivos na resposta imune contra as proteínas do vírus.

Essa nova rodada de testes será realizada em nove mil voluntários no Brasil, envolvendo centros de pesquisas de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná, além de Brasília, com coordenação do Instituto Butantan. O custo da testagem será de R$ 85 milhões.

A vacina, em testes, é inativada, ou seja, contém apenas fragmentos inativos do coronavírus. Com a aplicação da dose, é esperado que o sistema imunológico de cada paciente comece a produzir anticorpos contra o vírus. Nesse estudo, somente metade das pessoas receberão a vacina, enquanto a outra metade terá apenas um placebo, ou seja, uma substância inofensiva. Os voluntários não saberão o que irão receber.

Deixe uma resposta