“Não há ilegalidade”, diz Fachin sobre áudios de Temer

O ministro Edson Fachin considerou como legais as gravações envolvendo o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista, dono da JBS.

O entendimento de Fachin

Desse modo, não há ilegalidade na consideração das quatro gravações em áudio efetuadas pelo possível colaborador Joesley Mendonça Batista, as quais foram ratificadas e elucidadas em depoimento prestado perante o Ministério Público (em vídeo e por escrito), quando o referido interessado se fez, inclusive, acompanhado pelo defensor”, disse o ministro do STF.

A conclusão do ministro acompanha a autorização da abertura do inquérito sobre Temer, o senador afastado Aécio Neves e o deputado Rodrigo Loures. Os três foram gravados em conversas com o empresário e foram citados em delações premiadas.

Foram quatro áudios usados para conseguir um acordo de delação premiada com a Procuradoria.

Janot

Para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Aécio teria tentado impedir o avanço das investigações da Lava Jato. Tentado ainda articular com Temer e com Alexandre de Moraes, ministro do STF, então ministro da Justiça.

Mais especificamente sobre a Lava Jato, o senador teria tentado organizar uma forma de impedir que as investigações avançassem, por meio de escolhas dos delegados que conduziam os inquéritos, direcionando as distribuições, mas isso não teria sido finalizado entre ele, Michel Temer e o ex-ministro da Justiça e atual ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes”, registra Janot.

O parecer de Janot acompanha a decisão de Fachin de abrir inquérito contra o presidente e Aécio.

Além disso, verifica-se que Aécio Neves, em articulação, dentre outros, com o presidente Michel Temer, tem buscado impedir que as investigações da Lava Jato avancem, seja por meio de medidas legislativas, seja por meio de controle de indicação de delegados de polícia que conduzirão os inquéritos“, completa.

Aécio foi afastado do cargo após a gravação apontar que ele pediu R$ 2 milhões a Joesley.

O senador afastado negou que tenha tentado barrar a Lava Jato, por meio de nota.

O senador Aécio Neves jamais agiu ou conversou com quem quer que seja no sentido de criar qualquer tipo de empecilho à Operação Lava Jato ou à Polícia Federal, que sempre teve seu trabalho e autonomia apoiados pelo senador em suas agendas legislativas, e também como dirigente partidário

Fonte: Agência Brasil

Deixe uma resposta