Bebês que comem alimentos sólidos mais cedo dormem melhor?

Uma pesquisa publicada recentemente, informa que os bebês que comem alimentos sólidos mais cedo, dormem melhor.

Um estudo publicado pela JAMA Pediatrics, cientistas britânicos fizeram a comparação de indicadores de sono entre dois grupos: o primeiro, de bebês que, aos três meses, passaram a comer alimentos sólidos além do leite materno; e o segundo grupo, de bebês que só o fizeram a partir dos seis meses.

O estudo foi realizado por pesquisadores das universidades King’s College e Saint George, em Londres, onde fizeram o acompanhamento de 1.303 bebês. Famílias preencheram questionários online até os três anos de idade de suas crianças.

Foi justamente aos seis meses de idade que as diferenças se tornaram mais evidentes: o primeiro grupo dormiu cerca de 16 minutos a mais por noite (quase duas horas a mais por semana) e acordou com menos frequência durante o período (1,74 por noite contra duas vezes por noite).

No entanto, especialistas ainda indicam que as famílias sigam a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), de alimentação exclusiva com leite materno até os seis meses.

Percepção das mães

Apesar das recomendações oficiais, uma pesquisa de 2010 mostrou que 75% das mães britânicas davam alimentos sólidos a seus bebês antes dos cinco meses, um quarto dessas mães (26%) justificou a decisão com o argumento de que isto melhoraria o sono dos bebês à noite.

“Os resultados desta pesquisa (publicada no JAMA Pediatrics) apoiam a ampla percepção parental de que a introdução mais precoce de alimentos sólidos melhora o sono”, diz Gideon Lack, pesquisador da King’s College.

Ao comentar o estudo, Mary Fewtrell, líder no departamento de nutrição do Royal College of Paediatrics and Child Health (RCPCH, na sigla em inglês, órgão que supervisiona a saúde infantil no Reino Unido), informou que as recomendações sobre alimentação de bebês estão atualmente sob revisão de autoridades britânicas.

“A base de evidências para o conselho em voga hoje pela alimentação exclusiva (até os seis meses) tem mais de dez anos de idade”, aponta Fewtrell. “Esperamos ver recomendações atualizadas sobre alimentação infantil em um futuro não muito distante”.

O grupo dos bebês que receberam alimentos sólidos precocemente registrou metade da incidência de problemas no sono como choro e irritabilidade do que o outro grupo – indicando condições mais favoráveis para que os pais pudessem voltar a dormir. O que torna beneficioso para os pais, somente? Será vantajoso para o bebê? Valeria a pena?

O assunto quando é a alimentação dos bebês, se torna bem mais complexo devido as informações que sempre são passadas sobre a alimentação, até os seis meses ser de leite materno, somente. Para tirar qualquer dúvida específica, procure um médico especialista, neste caso, o pediatra.

Deixe uma resposta