BRT Rio: Novo sistema de segurança será instaurado

O BRT Rio foi assunto de Paulo Messina, secretário da Casa Civil da Prefeitura do Rio. Ele afirmou estar cada vez mais perigoso utilizar as linhas de BRT. Essa constatação se deu, pois segundo ele, o  tráfico de drogas está tomando conta das estações entre Cesarão 1 e Campo Grande.

O BRT Rio chama a atenção do Secretário de Segurança Paulo Messina. Pois segundo o G1, ele anunciou através de uma entrevista coletiva na última terça-feira (29/05), alguns problemas envolvendo tráfico de drogas.

O assunto principal foi sobre a segurança nas estações. Pois após a falta de combustível, o BRT ainda não conseguiu voltar a circular normalmente na Zona Oeste. Essa dificuldade se deu, principalmente, por escassez de segurança. Visto que, o de drogas está tomando conta das estações entre Cesarão 1 e Campo Grande.

BRT Rio e o sistema de segurança

Em Janeiro desse ano, uma reportagem realizada pelo RJTv mostrou que traficantes estavam dominando cerca de 24 estações do BRT. Contudo, o problema ainda não foi sanado e continua se perpetuando.

Após reclamações e denúncias, as forças de segurança foram acionadas na tentaiva de resolver o problema. Além de trafico, violência e ameaças a funcionários também rondam as estações de BRT no RJ. Isso, causa ainda mais transtorno na rotina dos cariocas.

Saiba mais:
21 estações do BRT é atacada pela Milícia

Mais de 20 estações do BRT estão abandonadas no Rio

Marcelo Crivela anuncia medidas

Segundo o site R7, o prefeito da cidade, Marcelo Crivela, anunciou que será implantado em breve uma medida de segurança exclusiva para o BRT Rio. Essa decisão foi tomada após uma reunião com representantes da Rio ônibus e do BRT Rio, onde abordaram temas como venda de drogas no local.

Ainda nesse sentido, o G1 informou que Paulo Messina relatou que os ônibus são obrigados a parar, uma vez que, os traficantes obrigam e ameaçam. Além disso, alguns veículos foram apedrejados e ao passar pelos terminais, o que causa muito medo e insegurança, tanto para passageiros, quanto para funcionários.

Deixe uma resposta