Força Nacional permanece no Rio por mais tempo

Os militares também terão o apoio dos Agentes da Força Nacional de Segurança Pública que reforçarão a segurança no Estado do Rio de Janeiro até o dia 2 de março, conforme portaria divulgada pelo Ministério da Justiça no Diário Oficial da União de quarta-feira (15). A previsão inicial era de que as tropas atuassem no Estado apenas até o dia 22 de fevereiro, mas agora elas permanecem em atuação durante o carnaval.

Em menos de 24h da chegada dos fuzileiros no Rio, um bandido foi morto após roubar uma motocicleta e depois trocar tiros com os fuzileiros navais, na manhã de quarta-feira (15), na Avenida Brasil. O confronto ocorreu na altura do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). Duas faixas da pista central ficaram interditadas por mais de três horas.

Desde de terça-feira (14), nove mil militares (oito mil do Exército e outros mil da Marinha) iniciaram a Operação Carioca, cujo objetivo é reforçar o policiamento no Rio e na Região Metropolitana.

Um analista de sistemas que se identificou como Lennon, de (32) anos, relatou que vinha da Baixada Fluminense, onde mora, em direção ao trabalho, no Centro, usando sua moto. Estava parado no engarrafamento quando foi surpreendido por dois homens armados, que roubaram a moto e fugiram. A dupla recebia cobertura de mais três suspeitos.

Alguns metros depois, os suspeitos na moto se depararam com os fuzileiros e, ainda segundo Lennon, atiraram nos militares, que revidaram. O que estava na garupa foi baleado. O outro conseguiu escapar. Em seguida, eles roubaram um motorista da Uber, que estava num Siena preto e levaram celular e a carteira da vítima.

A assessoria de imprensa do Comando Militar do Leste (CML) comunicou que os militares, “cumprindo as orientações e procedimentos para atuação na Operação Carioca, reagiram atirando somente no assaltante que estava armado”. E, ainda, que um Inquérito Policial Militar (IPM) será instaurado para investigar as circunstâncias do tiroteio.

O Exército ficou encarregado pelo patrulhamento da Avenida Brasil e da Transolímpica, mas não fará o policiamento das Linhas Amarela e Vermelha. Já os fuzileiros da Marinha serão distribuídos entre a região Portuária, do Caju ao Aeroporto Santos Dumont, e por toda a Zona Sul, exceto em São Conrado. O anúncio foi feito no início da tarde de terça-feira (14) pelo Ministro da Defesa, Raul Jungmann.

Fonte: O Globo

Deixe uma resposta