Greve dos caminhoneiros afeta setores em todo o país

A Greve dos Caminhoneiros teve início no dia 21/05/2018 e tem afetado todo o país de diversas maneiras. Todo esse movimento é em prol de reivindicações referentes à diminuição dos tributos sobre o Diesel e a tabela de preços para o frete.

A greve iniciou-se de forma natural, e, segundo o G1, começou através das redes sociais e em grupos de whatsaap dos caminhoneiros.

Ela reúne a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), a Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam), a União Nacional dos Caminhoneiros do Brasil (Unicam) e foi fortalecida pelos caminhoneiros de frota.

Greve dos Caminhoneiros reflete insegurança com falta de transporte nas ruas

Uma das grandes consequências da greve dos caminhoneiros é a falta de combustível nos postos de gasolina. Diante dessa escassez, apenas cerca de 23% dos ônibus convencionais estão circulando pela cidade.

Muitos patrões têm liberado os funcionários mais cedo, para que dessa forma, eles consigam chegar em casa em segurança.

Alguns conseguem se locomover de trem ou metrô. Porém, os que necessitam do ônibus ficam até mais tarde nas ruas, o que é bem perigoso.

Setores atingidos pela Greve

Além de provocar o cancelamento de algumas cirurgias em todo o país, a falta de combustível causou limitação na circulação de ambulâncias.

O setor alimentício tem sofrido bastante, uma vez que, as mercadorias não estão chegando aos supermercados e hortifrutis. Dessa forma, há um aumento no preço dos poucos produtos que ainda sobraram nas prateleiras.

Além disso, os correios suspenderam algumas entregas e aeroportos de todo o país, informaram que não terão como reabastecer as aeronaves.

Negociação com caminhoneiros

No último domingo, dia 27/05, o Governo Federal negociou algumas medidas reivindicadas pelos caminhoneiros. Após analisar os pedidos, o presidente Michel Temer fez um pronunciamento para informar oficialmente a decisão tomada.

Dessa forma, segue abaixo as medidas anunciadas pelo presidente Michel Temer:

  1. Redução de R$ 0,46 no litro do diesel;
  2. Preço será mantido por 60 dias e depois, os ajustes serão mensais;
  3. Caminhoneiros autônomos terão garantia de 30% dos fretes da Conab;
  4. Medida Provisória estabelecerá tabela mínima de frete, em análise no Senado Federal;
  5. Medida provisória será editada para isenção de pedágio em caminhões com eixos suspensos

Mesmo diante do pronunciamento, alguns caminhoneiros realizaram protestos em 25 estados.

Em entrevista cedida à TV Brasil, o presidente Michel Temer falou nesta última terça-feira, (29/05), que havia feito o possível para sanar a Greve. Dessa forma, alegou não ter mais nada a oferecer, uma vez que, já anunciou as medidas a serem tomadas.

Diante disso, o 9º dia de greve (29/05) foi marcado pelo enfraquecimento do movimento, por grandes filas nos postos de gasolina e por melhorias em alguns postos de distribuição de alimentos.

É imprescindível que a causa da Greve seja evidenciada, uma vez que, os Caminhoneiros explicitaram quais eram suas insatisfações junto ao Governo Federal. Dessa forma, a categoria afirma que o fim da greve ainda não ocorreu por completo por conta dos “intervencionistas”.

Saiba mais:

Greve afeta transporte e escolas no RJ

Operações Segurança Presente são renovadas até 2018

Deixe uma resposta