Museu Nacional: prefeito do Rio vira piada ao falar de reconstrução

O incêndio que atingiu o Museu Nacional, na Quinta da Boa vista, no último domingo (02) causa indignação em grande parte dos brasileiros. Indignação essa, que foi acentuada pela declaração do prefeito do Rio, Marcelo Crivella.

Na ocasião, ele menciona projeto de reconstrução do palácio e recomposição de cada “detalhe” e “pintura” e “foto”. Na página oficial do prefeito, internautas questionaram a impossibilidade de “reconstrução” de materias únicos na História de várias civilizações. “Não se reconstrói informação paleontológica de fósseis, prefeito”, indagou um; “Crivella, por mais que faça a restauração, as coleções eram únicas. Essas nunca mais teremos”, lamentou outro; “Reconstruir o acervo do museu. Só mesmo uma pessoa que não tem a menor idéia do que se trata para falar um asneira dessa. Não tem o que dizer fique calado”, revoltou-se um terceiro.

De acordo com a vice-diretora do museu, serão necessários, a princípio, R$ 15 milhões para a recuperação do museu. Ela disse em coletiva na tarde de hoje (3) que só restou apenas 10% do acervo.

Funcionários e voluntários do Museu Nacional tentam recuperar acervo

Já os funcionários do Museu Nacional se juntaram a voluntários para tentar salvar peças em exibição na noite do último domingo (02). Desolados, eles retiraram objetos e computadores do edifício histórico.

No início, a tentativa de recuperação foi impedida pela Polícia Militar. Porém, uma servidora chamou alguns trabalhadores de setores específicos para tentar resgatar parte do acervo que ainda não tinha sido atingido. No mesmo instante, moradores dos arredores buscaram água para ajudar quem estava trabalhando no local e sentia sede.

A Defesa Civil municipal informa que o prédio do Museu Nacional seguirá interditado. De acordo com o órgão, na manhã de hoje (3), técnicos verificaram que, internamente, existe um  “grande risco” de desabamento. Podem ruir trechos remanescentes de laje, parte do telhado e paredes divisórias do prédio. O risco de desabamento da fachada foi descartado devido à sua espessura. Uma nova avaliação do prédio deve ser feita à tarde. Segundo o ministro da Cultura, Sérgio de Sá Leitão, apontou que entre as opções levantadas por ele para ser a causa do acidente são: curto-circuito e a suposta queda de um balão.

Fonte: Extra

 

Deixe uma resposta