Água gratuita em restaurantes levantam suspeitas

A água gratuita obrigatória distribuída em bares, restaurantes e estabelecimentos similares do Rio de Janeiro tem deixado consumidores desconfortáveis. O fornecimento da água gratuita consta na lei estadual 7.047/15. Ela completa 4 anos no próximo dia 22 e ainda deixa os clientes com medo. Sentimento esse, da reação dos garçons na hora do pedido e da procedência da bebida.

O perfil “Água de Casa” no Instagram, dá dicas e avaliações a pessoas que tem o hábito de pedir água gratuita nos estabelecimentos. Esses locais podem ganhar até 5 estrelas, de acordo com os depoimentos de frequentadores enviados para o perfil.

As administradoras do “Água de Casa”, Gabriella Nadai e Carolina Soares, reproduzem nas postagens o nome do local e a foto da bebida. Além disso, avaliam a temperatura, apresentação e gosto. Tudo isso e mais os relatos de experiências vividas por consumidores. Em um dos casos, Carolina conta que a água veio servida em um copo sujo de batom.

Água gratuita foi servida em recipiente remendado de fita

De acordo com Carolina, uma cliente pediu uma água gratuita e a bebida foi entregue em um copo sujo de batom. A administradora disse também que em outro caso, a água veio em um recipiente remendado com fita durepox.

“A média das avaliações geralmente é boa. Mas existem locais que não dão a água gratuita. Tem um lugar chique na Zona Sul do Rio que o garçom negou a água, alegando que nem os funcionários podiam beber”, acrescenta Carolina.

Já Gabriella revela que recebeu água até com objetos e sujeira dentro do copo. “Já vimos águas que são bem esquisitas, com objetos dentro, sujeira, até com gosto de água sanitária. As pessoas falam que água é tudo igual, mas quando você vira um avaliador de águas, você vê que nem todas são iguais. Água não tem que ter gosto, se tiver, é porque tem alguma coisa errada nela”, aponta. 

Deixe uma resposta