Corte de verbas atinge museus do Rio

O Museu de Arte do Rio (MAR) pode fechar as portas em setembro. O motivo seria o corte de verbas anunciado no primeiro semestre deste ano. A falta de recursos não atinge apenas a educação, mas os espaços culturais da cidade também.

De acordo com o MAR, foi assinado no mês de abril um aditivo que prorroga o contrato de gestão do museu até setembro. O completo cultural Cidade das Artes também pode parar de funcionar por falta de recursos da Prefeitura.

O Museu de Arte do Rio tem seis anos de funcionamento e entre o os meses de maio e junho registrou um recorde de visitantes, mais de 70 mil.

Em entrevista para a Band News, Mariana Ribas – secretária municipal de cultura do Rio – disse que no momento tramitam duas linhas de crédito na Prefeitura para evitar que as unidades fechem.

Outro museu que pode ser atingido com este corte é o Museu do Amanhã. Considerado o museu mais visitado do país, ele foi inaugurado em 2015. Em seu primeiro ano de funcionamento teve um gasto de R$ 40 milhões, mas atualmente recebe R$ 2 milhões para se manter.

A direção do Museu do Amanhã informou a Band News que a licitação com a Prefeitura é válida até o final de novembro, o que garante o museu até o final deste ano.

O contingenciamento apresentado pelo Governo Federal atingiu as verbas que seriam atribuídas à reconstrução do Museu Nacional. Ele foi destruído em um incêndio no mês de setembro de 2018, que chocou o mundo.

Segundo a Associação Nacional do Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), foram reservados R$ 55 milhões para a reforma do museu, mas com o corte de 21,63% apresentado pela Câmara Federal, o valor fica em R$ 43,1 milhões.

Deixe uma resposta