Impedir transmissão do HIV com injeção está em estudo

Está em estudo injeção que pode impedir transmissão do HIV. Cientistas brasileiros e outros seis países estão unidos nesta pesquisa. Se confirmada a eficácia, o PrEP injetável só vai precisar ser renovado a cada dois meses.

Pesquisadores acreditam na evolução do tratamento contra a transmissão do HVI. Atualmente o tratamento oral é feito com drogas antirretrovirais com o tratamento feito corretamente, tem uma eficácia de até 99%.

O PrEP injetável está em processo de teste de até dois anos, com previsão de conclusão para o ano de 2021.

Esse estudo é realizado pela HIV Prevention Trials Network, essa rede é mantida pelos Institutos Nacionais de Saúde, uma agência do governo americano dedicada a estudos.

Impedir transmissão do HIV com injeção pode ter um bom efeito

O tratamento com o PrEP oral é diário. Neste caso a organização deve ser maior para que o tratamento seja realmente eficaz. Aprovado em 2012 pela Food and Drugs Administration (FDA), o medicamento é oferecido de forma gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com pesquisas o uso da medicação tem uma queda de adesão de acordo com o tempo de uso. Em entrevista à BBC, Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos declarou que “Isso varia bastante, mas a taxa chega a cair pela metade, porque as pessoas se cansam de tomar um comprimido diariamente ou se esquecem. E, se não é tomado todo dia, não funciona“, afirmou Fauci.

O PrEP injetável será feito a partir da substância cabotegravir, em vez de usar o fumarato de tenofovir desoproxila e emtricitabina que são as drogas combinadas no PrEP oral.

Injetado no músculo de uma das nádegas o PrEP injetável fica situado no local e é liberado aos poucos durante dois meses. Ao final dos dois meses deve ser renovada a dose.

Deixe uma resposta