Ministério da Educação quer construir 4 mil creches até 2022

No último dia 11, o Ministério da Educação (MEC) lançou um texto de “Compromisso Nacional pela Educação Básica”. A partir daí, o MEC quer construir 4 mil creches até o ano de 2022. O anúncio foi feito na manhã de quarta-feira (10).

O encontro com secretários estaduais e municipais discutiu o documento que também inclui a valorização dos professores e o aumento da carga horária escolar das escolas públicas.

O compromisso foi firmado pelo MEC, o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

Ministério da Educação quer levar internet as escolas rurais

Abraham Weintraub, ministro da Educação, focou na Educação como um todo. Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio são pautas que vão receber mudanças.

O Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de equipamentos para a Rede Escolar Pública de Educação Infantil (Proinfância) é o responsável pela nota de construção das creches definida na “carta-compromisso”.

O aumento da carga horária na rede pública tem como objetivo diminuir a evasão escolar. E além disso, levar acesso à internet as escolas rurais, implantar colégios cívico-militares e dar formação de professores da educação básica por ensino a distância faz parte do plano estratégico dessa pasta.

Segundo o ministro da Educação, existe uma meta-geral para os próximos 12 anos. “O Brasil tá cheio de boas iniciativas e é um país com muitos recursos. […] A gente não tem alternativa a não ser avançar“, disse o ministro, Abraham Weintraub.

De acordo com o secretário de Educação Básica, Jânio Carlos Endo Macedo admitiu que o que foi firmado na carta-compromisso tem ligação com programas criados em outros governos. “Para a educação básica, o que vale é arroz com feijão. É trabalhar muito duro para implementar as políticas que já estão mais que testadas. Não tem que reinventar a roda. Para o ensino médio, a gente quer o que? Implementar o Novo Ensino Médio“, assegurou o secretário.

Deixe uma resposta