Cidadania

Os botos da Baia de Guanabara

Kaio Serra
Escrito por Kaio Serra em 2 de julho de 2017
Os botos da Baia de Guanabara

A Baia de Guanabara abriga cerca de 36 botos-cinza. Os botos da Baia de Guanabara são símbolos da cidade, e estão presentes inclusive no brasão do município do Rio.

No entanto, por conta da degradação de seu habitat, o boto da Baia de Guanabara está entre os animais mais contaminados do mundo. Os dados são da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. O coordenador das atividades de mamíferos aquáticos da UERJ, José Lailson Brito, estuda os animais desde de 1992.

“Garanto que se formos analisar o tecido adiposo, o sangue e a urina de boa parte dos que estão aqui e que eventualmente interagem com a Baía de Guanabara, que se alimentam de pescado da baía, certamente têm os mesmos contaminantes”. Disse Brito.

De acordo com Brito, os principais poluentes encontrados no organismos do boto que habita a Baia de Guanabara, são compostos de origem industrial, muitos já banidos no país.

“Esses mesmos produtos que estão lá no tecido desses animais, fazendo um efeito ruim, estão na gente. É um problema de saúde pública”. O pesquisador lamentou a perda de mais um boto, vítima da poluição. “O que acontece aqui está sendo reproduzido na Baía de Sepetiba, não aprendemos nada. A Baía de Ilha Grande vai pelo mesmo caminho”.

O boto-cinza da Baia de Guanabara é um animal em extinção. De uma população de mais de 800 animais em 1970, atualmente são apenas 36.

“Os botos são o retrato do que é a Baía de Guanabara, que virou um estacionamento de navios, são mais de 80 navios fundeados” disse. O oceanógrafo alertou que a poluição acústica produzida por essas embarcações. “O ruído debaixo d’água nas áreas de fundeio é um absurdo e espanta a fauna”.

 

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem Somos

“Nosso foco é informar com senso crítico tudo o que existe de mais importante na área da segurança, saúde, emprego e do ir e vir do cidadão brasileiro.”