Pré-vestibular UniFavela da Maré aprova 100% dos alunos

O pré-vestibular UniFavela no Complexo da Maré teve rendimento de 100% com todos os dez alunos aprovados em algumas das melhores universidades públicas do Rio de Janeiro, no ano de 2018. No ano em questão, as aulas eram ministradas em uma laje, com o quadro sobre tijolos e professores voluntários. Atualmente, o projeto continua funcionando de forma comunitária mas agora na ONG Vida Real, dentro da comunidade.

A ideia de criar um pré-vestibular comunitário surgiu em 2018 quando o morador da Maré, Laerte Breno, ajudou uma amiga na biblioteca Lona Cultural Herbert Vianna (Lona da Maré). Logo depois, a biblioteca estava repleta de alunos e alguns professores voluntários, convidados pelo Laerte.

Como a Lona da Maré exerce suas próprias atividades, houve a necessidade da transferência do pré-vestibular para outro lugar. Desta forma, para o UniFavela não acabar, um dos alunos ofereceu a laje da sua casa para que as aulas fossem ministradas. Lá, as aulas eram improvisadas de maneira que o quadro ficasse sobre tijolos assim como os livros. Inclusive, havia “vaquinhas” para os gastos, como xerox.

A primeira turma do projeto teve um aproveitamento de 100%. Desta forma, todos os alunos foram aprovados em algumas das melhores universidades públicas do Rio de Janeiro como Uerj, UFRJ e Unirio. E devido a repercussão, mais moradores da Maré procuraram o projeto fazendo com que houvesse a necessidade da mudança do local.

Não atendemos só a juventude da Maré, também contamos com adultos e pessoas que querem voltar a estudar depois de um tempo afastadas do ensino médio, por questões financeiras ou pessoais. Isso acontece muito entre as pessoas de classes populares. O projeto tem importância política e social porque oferece uma oportunidade de um jovem, adulto ou alguém da terceira idade ingressar na universidade, entrar nesse universo acadêmico” declarou Daniele Figueiredo, co-fundadora e disseminadora do pré-vestibular comunitário na Maré.

Contribuição com a comunidade

A princípio, neste ano de 2019, o pré-vestibular UniFavela funciona na ONG Vida Real, dentro da comunidade. Assim, o projeto conta com mais de 21 professores, uma pedagoga e dois ex-alunos ajudando na gestão.

Ainda há aos sábados a organização de simulados, aulões, debates, oficinas e cineclubes. Além disso, há a arrecadação de doações para moradores em situação de vulnerabilidade da Maré. Segundo umas das idealizadores do projeto, Letícia Maia, o primeiro objetivo do projeto é a formação humana, de pessoas que gostem de aprender, conhecer e que tenham apreço pelo conhecimento e cidadania.

A falta de segurança na Maré atrapalha os estudos e o pré-vestibular UniFavela

Apesar do forte calor do Rio de Janeiro e das longas chuvas, a maior dificuldade não estava na falta de estrutura da sala de aula improvisada. Deste modo, as constantes e violentas operações policiais no Complexo da Maré, faziam com que algumas aulas fossem interrompidas. Entre 2018 e 2019, os alunos da Maré enfrentaram mais de 20 dias de aulas suspensas por causa das operações.

A violência dos constantes confrontos entre traficantes e policiais na Maré comprometia o andamento das aulas e atrasava o conteúdo passado aos estudantes. E apesar do resultado positivo em meio a um ambiente marcado pela violência e falta de estrutura, os alunos e professores não acreditam em uma visão meritocrática por trás das conquistas dos estudantes. “A gente é enfático em reforçar que não foi meritocracia. Foi questão de luta e resistência” declarou Laerte Breno, fundador do pré-vestibular UniFavela.

A saber, pela mídia social do pré-vestibular UniFavela, há a divulgação do projeto para atrair mais voluntários. E além disso, a vaquinha online, que visa a arrecadeção de dinheiro para construção de um local próprio para o pré-vestibular, está disponível.

Deixe uma resposta