Cidadania

Prédios abandonados no Rio são símbolos do descaso público

Bruno Albuquerque
Escrito por Bruno Albuquerque em 5 de abril de 2021
Prédios abandonados no Rio são símbolos do descaso público

Prédios e monumentos históricos abandonados no Rio de Janeiro são símbolos de um descaso público com a memória da cidade carioca. Esses patrimônios ilustres da cidade são reféns de maus-tratos há anos, contudo fazem parte da jornada dos cariocas. Por exemplo, o famoso prédio da Universidade Gama Filho que permanece fechado desde 2014. Sobretudo, no imóvel, ainda pode-se encontrar equipamentos e documentos largados. Logo após houveram casos de invasão e roubo no local.

Um dos locais com maior concentração desses prédios está no centro do Rio de Janeiro. Por exemplo é o prédio da antiga estação da Leopoldina que foi construído em 1926. No entanto, o edifício central que pertence a Superintendência de Patrimônio da União (SPU) fechou em 2002. Atualmente, a estação é usada como depósito de trens sucateados. E existem projetos para a transformação em museu ou centro comercial, no entanto nada saiu do papel.

Existem outros problemas concentrados no bairro da Lapa, localizado próximo ao centro da cidade. No bairro há inúmeros edifícios que são tombados como patrimônio material do Rio de Janeiro. Lá existe um prédio que recebeu os “inválidos da pátrias”, que seriam os feridos da guerra do Paraguai no século 19. No imóvel foram colocados tapumes, porém nada é feito há mais de 10 anos. A prefeitura afirmou que fiscaliza e multa os proprietários de imóveis protegidos em má conservação.

Esses são apenas alguns exemplos do abandono que contribui para o esquecimento da história da cidade. Esta, por muito tempo foi capital do império brasileiro e capital federal da república brasileira.

Estações de BRT também sofrem com abandono e vandalismo no RJ

A maioria das estações de BRT no Rio são outro grande problema de abandono na cidade fluminense. O modelo que era considerado moderno não resistiu aos ataques de vândalos. Similarmente, os calotes no BRT é outra questão problemática. Devido a pandemia, a cerca de 56 estações fechadas. O retorno das atividades não tem previsão.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem Somos

“Nosso foco é informar com senso crítico tudo o que existe de mais importante na área da segurança, saúde, emprego e do ir e vir do cidadão brasileiro.”