Cidadania

RJ tem média de 570 vítimas de violência doméstica

Nariene da Silva Xavier
Escrito por Nariene da Silva Xavier em 1 de agosto de 2020
RJ tem média de 570 vítimas de violência doméstica

O  relatório produzido pela subsecretaria de Planejamento e Integração Operacional (SSPIO) da Polícia Civil identificou 9.762 inquéritos de crimes contra a mulher em curso no período entre 1º de janeiro do ano passado e 5 de junho de 2020. O Rio de Janeiro tem em média de 570 casos de violência doméstica por mês ocorridos nas áreas dominadas por milicianos e traficantes.

Ainda de acordo com o levantamento, foram contabilizados, no mesmo período, 4,1 mil estupros e 5,5 mil casos de homicídios dolosos, é aquele em que o agente prevê o resultado lesivo de conduta e, mesmo assim, leva-a adiante, ocasionando o resultado.

Não significa que os investigados sejam traficantes ou milicianos, mas que os fatos foram praticados em comunidades com atuação dessas organizações criminosas ou no entorno, o que necessita de operações policiais para realizar diligências da investigação ou para cumprimento de mandados de busca e apreensão e de prisão“, explicou o delegado Felipe Curi, subsecretário de planejamento da Polícia Civil, em entrevista ao G1.

De acordo com a diretora da Divisão de Polícia de Atendimento à Mulher (Dpam), delegada Sandra Ornellas, os crimes de violência contra mulher acontecem em diversas classes socais, mas em áreas dominadas por organizações criminosas se tornam mais “comuns”.

Infelizmente, a violência doméstica perpassa todas as classes sociais e tipos de pessoas. Se é maior nestas áreas conflagradas pela criminalidade é porque o uso da violência nestes locais é mais comum”, disse a diretora em entrevista ao G1.

Governo do RJ cria protocolo de atendimento para vítimas de violência doméstica durante a pandemia

A medida foi publicada no Diário Oficial no dia 30 de junho, mas ainda depende de regulamentação junto à Casa Civil para ser colocada em prática. Não há prazo definido para ser concluído.

O novo protocolo prevê que o governo fique encarregado de entrar em contato com vítimas que denunciaram algum tipo de violência nos últimos seis meses. Além disso, irá oferecer acompanhamento e o contato será feito por telefone ou Whatsapp.

Segundo dados do ISP, Instituto de Segurança Pública, a violência física contra a mulher aumentou 59,9% em 2019 em relação a 2018. Em 2020, o crescimento foi de 67% na comparação com o ano anterior; Já a violência sexual aumentou 57% em 2019 e quase 70% em 2020.

Caso a vítima não tenha para onde ir após a violência, o estado fica autorizado a disponibilizar acomodações. A medida prevê também o sigilo da localização durante o período de isolamento.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem Somos

“Nosso foco é informar com senso crítico tudo o que existe de mais importante na área da segurança, saúde, emprego e do ir e vir do cidadão brasileiro.”