Sacolas plásticas no RJ deixam de ser gratuitas em supermercados

As sacolas plásticas no RJ não são mais distribuídas gratuitamente desde o último dia 15. Assim sendo, a decisão foi ordenada em cumprimento à Lei Estadual nº 8.006/18, que entrou em vigor em 26 de junho de 2019. Desde então, o uso das sacolas plásticas tem diminuído consideravelmente.

A princípio, os consumidores terão que levar sacolas de casa quando forem fazer compras ou pagar pelas sacolas plásticas, que custam R$0,08. “Nós recomendamos e sugerimos, em nome do meio ambiente, que eles levem suas sacolas de casa“, disse o presidente da Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj), Fábio Queiróz.

A saber, nos primeiros seis meses de adequação da Lei, a Asserj identificou a redução de 50% de sacolas plásticas no RJ, cerca de um bilhão. Entretanto, o presidente da Asserj, Fábio Queiróz, disse que a meta do setor de supermercados é reduzir 2 bilhões de sacolas plásticas em um ano.

Segundo ele, no mundo inteiro a cobrança pelas sacolas plásticas se mostrou o instrumento mais eficaz no combate a poluição. “E aqui (no Rio de Janeiro) não foi diferente, como já se provou“.

Antes da Lei, estima-se que, por ano, cerca de 4 bilhões de sacolas plásticas eram distribuídas no Rio de Janeiro. Com base nisso, mais de 300 milhões de sacolas plásticas eram entregues por mês no Estado. Com a aplicação da Lei, esse número caiu para pouco menos de 200 milhões de sacolas/mês.

Alternativa sustentável para substituir as sacolas plásticas no RJ

O biólogo Kevin Kumala criou a empresa Avani Eco, em 2014, onde desenvolveu uma sacola feita de mandioca para substituir as sacolas plásticas. Além das sacolas, Kevin também desenvolve e vende canudos, talheres, copos e embalagens, todos feitos com materiais sustentáveis, com tempo de decomposição de cem dias.

Os produtos feitos por Kevin são transformados em alimentos para os peixes quando descartados no mar. Desde 2016, a empresa já substituiu três toneladas de produtos não sustentáveis.

Nós buscamos continuamente nos tornar uma ponte para ajudar e encorajar comunidades e negócios a produzirem iniciativas que gerem um impacto sustentável para o meio ambiente. Encorajando o uso do termo ‘responsável’ como um valor central dos três fatores chave: reduzir, reutilizar, reciclar“, diz o site da empresa.

Deixe uma resposta