Cidadania

Violência: Casos de estupros no Rio têm aumento significativo

Gabrielle Pignataro
Escrito por Gabrielle Pignataro em 26 de maio de 2018
Violência: Casos de estupros no Rio têm aumento significativo

A violência contra a mulher acontece diariamente em todo o país, entretanto, no mês de Abril, houve um aumento no apontamento de casos de estupro. Segundo o INEP (Instituto de Segurança Pública) foram registrados cerca de 18% a mais, em relação a 2017.

Devido aos avanços na legislação, algumas leis foram aprovadas e ajudaram a diminuir o regime opressivo que perseguiu as mulheres durante décadas. Contudo, algumas questões ainda se mantém permanentes e os números mostram isso de forma nítida. Segundo o jornal O Globo, em Abril do ano passado, foram apontadas 363 denúncias e 1 ano depois, em Abril de 2018, houve um aumento nos registros: 427 casos de estupros no Rio de Janeiro.

Violência física e mental

A luta das mulheres por igualdade é muito antiga, pois muitas vezes são violentadas pelo simples fato de serem mulheres. Nesse caso, o crime se qualifica como Feminicídio (crime de ódio baseado no gênero). Diante de todas as adversidades presentes até hoje, a Lei Maria da Penha foi Sancionada em 2006 com o intuito de coibir e prevenir a violência doméstica contra a mulher. Contudo, segundo o G1, doze mulheres são assassinadas, em média, todos os dias no Brasil. São 4.473 homicídios dolosos, sendo 946 feminicídios.

Essa violência reflete um machismo enraizado e traz consequências, muitas vezes, irreversíveis. A pessoa que sofre esse tipo de covardia, quando não se trata de violência física, pode carregar outros danos para o resto da vida. Problemas psicológicos, psiquiátricos, dependência de remédios, desenvolvimento de doenças como síndrome do pânico e depressão, entre outras sequelas.

Saiba mais:
Crimes domésticos podem causar câncer

Casos de estupro de menores no Rio chegam a 88 em 2017

Pena por estupro coletivo cresce no Brasil

Lei Maria da Penha

Números só aumentam

Segundo uma pesquisa realizada pela Datafolha e publicada em 2017, 66% dos brasileiros presenciaram uma mulher sendo agredida fisicamente ou verbalmente em 2016; 47% dos homens viram outros homens brigando e se agredindo por causa de ciúmes de uma mulher; 51% viram mulheres sendo abordadas na rua de forma desrespeitosa.

Além disso, 503 mulheres foram vítimas de agressão física a cada hora em 2016 (4,4 milhões no ano); 29% das mulheres brasileiras relatam ter sofrido algum tipo de violência nos últimos 12 meses, sendo essas 25% brancas, 31% pardas e 32% negras. Dentre as que sofreram violência, o agressor era: 61% conhecidos, 19% companheiros e 16% ex-companheiros.

Entre em contato e Denuncie

Esses dados demonstram casos em que houveram registros das agressões e dos crimes. Por conta disso, é imprescindível que a denúncia seja realizada, para que assim,  os dados sejam atualizados e as autoridades fiquem a par da situação, para resolver e aplicar as medidas cabíveis da melhor forma possível.

  • Ligue 180 (funciona 24h e é gratuito);
  • Aplicativo: Clique 180;
  • Delegacias de polícia, Delegacia da mulher (caso não esteja aberta, o boletim deve ser realizado em uma delegacia normal, para depois ser transferido);
  • Enereços das Delegacias e pontos de atendimento
  • A Secretaria de Políticas para as Mulheres – Ouvidoria:
    Telefone: (61) 3313-7367 / 7396
    e-mail é: ouvidoria@spm.gov.br

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem Somos

“Nosso foco é informar com senso crítico tudo o que existe de mais importante na área da segurança, saúde, emprego e do ir e vir do cidadão brasileiro.”