Cidadania

Witzel rompe contrato atual de concessão do Maracanã

Aline Carvalho
Escrito por Aline Carvalho em 18 de março de 2019
Witzel rompe contrato atual de concessão do Maracanã

O governador do Rio, Wilson Witzel, anunciou nesta segunda-feira (18) o rompimento do contrato atual de concessão do Maracanã.

Desta forma, o poder público reassume o controle do complexo esportivo.

“Estamos retomando o Maracanã, sem qualquer prejuízo das partidas de futebol ou aos clubes. Assim, vamos nos próximos 30 dias ter uma intervenção no Maracanã, por meio da secretaria e da suderj, com uma comissão que estou constituindo, para fazer uma retomada. Estaremos modulando uma permissão de uso até que façamos então uma nova concessão por meio de parceria público privada.” Disse Witzel.

De acordo com o governador, “não dá para manter uma empresa que foi condenada pela Justiça em primeira instância”.

O governador confirmou que, na Copa América, os jogos vão acontecer no Maracanã.

“Sem o maior problema. Já conversei com o presidente da Conmebol, mantenho contato, nada disso vai sofrer prejuízo. Estamos recuperando o estado do Rio. Estamos pagando salários em dia.” Acrescentou ele.

O governador ainda fez referência a incidente de um clássico recente para justificar sua decisão, quando Fluminense e Vasco se viram, em fevereiro, num impasse a respeito de qual lado caberia às torcidas, o que causou suspensão das vendas e abertura tardia dos portões, o que prejudicou a entrada dos torcedores.

“Se a concessionária mantinha contrato com os clubes, esses contratos não tem efeito em relação ao estádio. Vou conversar com os clubes para que não aconteça o que houve no Fluminense x Vasco. Ficamos esperando a Justiça decidir com 30 mil querendo entrar, e a polícia no meio dessa história.”


Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem Somos

“Nosso foco é informar com senso crítico tudo o que existe de mais importante na área da segurança, saúde, emprego e do ir e vir do cidadão brasileiro.”