Ações preventivas contra o sarampo chegam ao RJ

Em 2019, as ações preventivas contra o sarampo, desenvolvidas pelo Ministério da Saúde (MS), tendem a incentivar a vacinação no RJ. Por meio da distribuição de panfletos informativos, o MS anseia cobertura vacinal maior que do ano anterior.

Isso porque em 2018 o Rio de Janeiro alcançou 95% de cobertura vacinal e foram notificados 20 casos da doença. Por outro lado, nos primeiros meses de 2019, foram registrados 13 casos de sarampo. Dessa forma, a Secretaria Estadual de Saúde estabeleceu a necessidade de ações preventivas contra o sarampo, reforçando a relevância da vacinação.

A preocupação com o Rio de Janeiro deve-se a proximidade com São Paulo, que vive um surto da doença. Assim sendo, estima-se que medidas como a distribuição de panfletos informativos em rodovias, terminais ferroviários, metrôs, BRTs e aeroportos surtam efeito quanto a importância da prevenção com a vacina.

Fonte: O Globo

Sarampo: sintomas, causas, ações preventivas

O que é sarampo?

É uma doença infecciosa grave, causada por um vírus, que pode ser fatal. Sua transmissão ocorre quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo de outras pessoas. A única maneira de evitar o sarampo é pela vacina.

Quais são os sintomas do sarampo?

  • febre acompanhada de tosse
  • irritação nos olhos
  • nariz escorrendo ou entupido
  • mal-estar intenso

Em torno de 3 a 5 dias, podem aparecer outros sinais e sintomas, como manchas vermelhas no rosto e atrás das orelhas que, em seguida, se espalham pelo corpo.

O que causa o sarampo?

A princípio, a transmissão do vírus ocorre de pessoa a pessoa, por via aérea, ao tossir, espirrar, falar ou respirar. Além disso, o sarampo é tão contagioso que uma pessoa uma pessoa infectada pode transmitir para 90% das pessoas próximas que não estejam imunes.

Como prevenir o sarampo?

Por certo, é prevenível por vacinação. Posto que, os critérios de indicação da vacina são revisados periodicamente pelo Ministério da Saúde.

Quem deve se vacinar contra o sarampo?

  • Crianças de 6 meses a menos de 1 ano, que completarem 12 meses (1 ano) e aos 15 meses de idade
  • Pessoas entre 1 e 29 anos que receberam apenas uma dose

Em caso de perda do cartão de vacina, pessoas entre 1 a 29 anos faz-se necessárias duas doses e entre 30 a 49 anos somente uma dose.

A saber, as vacinas são ofertadas em unidades públicas e privadas de vacinação.

Deixe uma resposta