Saúde

Diabetes: risco em pessoas saudáveis

Nariene da Silva Xavier
Escrito por Nariene da Silva Xavier em 13 de novembro de 2020
Diabetes: risco em pessoas saudáveis

Uma pesquisa constatou que quase 17 milhões de brasileiros adultos têm diabetes. De acordo com dados divulgados no fim de 2019 pelo Atlas do Diabetes, órgão internacional que mapeia a situação da doença em 138 países. O Atlas constatou que nos últimos dois anos o Brasil teve um crescimento de 31% no número de diabéticos.

Médicos do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, conduziram estudo que comprova a aplicação de um questionário aos pacientes que procuram serviços de saúde e é capaz de predizer os riscos do diabetes tipo 2, mais comum e associado ao estilo de vida, em médio prazo.

Os pesquisadores aplicaram pela primeira vez em grande escala no Brasil o questionário de oito perguntas Findrisc (Finnish Diabetes Risk Score), criado em 2001 na Finlândia, para rastreamento do diabetes. Entre 2008 e 2016, os formulários foram preenchidos com dados de 40 mil pacientes que passaram pelo serviço de check-up do hospital. Entre as informações coletadas estavam gênero, idade, IMC (índice de massa corporal), prática de atividade física e consumo de legumes, frutas e verduras.

O estudo mostrou ainda que pacientes com risco alto de diabetes pelo questionário Findrisc têm mais chances de inflamação vascular, o que potencialmente pode levar a um maior risco cardíaco. Os dados foram analisados pelos pesquisadores entre 2019 e 2020 e apresentados no Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo e no Congresso Europeu de Cardiologia, que aconteceram entre junho e setembro deste ano.

“O objetivo do estudo era verificar a eficácia do questionário na previsão de risco de diabetes tipo 2 em médio prazo para pessoas até então saudáveis“, explica Antônio Eduardo Pesaro, cardiologista do Hospital Israelita Albert Einstein e um dos responsáveis pela pesquisa, para o site Uol. Para isso, foram comparados os dados de 10 mil pacientes que retornaram ao serviço de check-up cerca de cinco anos depois. O risco indicado nos questionários de 3,5% dos pacientes foi confirmado com o diagnóstico de diabetes tipo 2 na segunda visita para rotina de prevenção primária.

O grande diferencial desta pesquisa é a evidência de que o uso de uma ferramenta de baixo custo e simples aplicação, como é o caso deste questionário, pode contribuir para a condução de políticas públicas para a prevenção e o controle da diabetes tipo 2 no país“, concluiu Pesaro.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem Somos

“Nosso foco é informar com senso crítico tudo o que existe de mais importante na área da segurança, saúde, emprego e do ir e vir do cidadão brasileiro.”