Saúde

Estudar coisas diferentes em curto tempo beneficia a memória

Nariene da Silva Xavier
Escrito por Nariene da Silva Xavier em 28 de março de 2020
Estudar coisas diferentes em curto tempo beneficia a memória

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein (IIEP), liderada por Michael Crossley, no Reino Unido, mostrou que estudar coisas diferentes em curto tempo beneficia a memória. Logo, realizar tarefas ou obter aprendizados diferentes garantem que mais informações sejam armazenadas na memória.

Para ajudar a desvendar como o cérebro seleciona quais aprendizados são adquiridos em um curto espaço de tempo pela memória, o neurocientista e uma equipe de estudiosos submeteram os caramujos de água doce Lymnaea a uma série de tarefas, semelhantes e distintas, em intervalos de duas e 24 horas. Embora estes moluscos tenham cérebro muito mais simples do que os dos humanos, Crossley explica que muitas das regras de aprendizagem por eles processadas são similares às nossas.

Além disso, o fato de estes animais terem neurônios maiores e em menor quantidade que o dos humanos (são cerca de 30 mil ante 86 bilhões nos humanos), é mais fácil identificar onde as memórias são armazenadas. “Algumas destas células nervosas podem ser localizadas pelo tamanho, forma, cor e até propriedades físicas, o que significa que podemos verificar as mudanças nelas ocorridas nos momentos de aprendizagem“, diz Crossley, para o site Uol.

O estudo descobriu que os caracóis têm mais dificuldade para aprender duas tarefas semelhantes e mais facilidade para memorizar as diferentes. Isso porque, de acordo com Crossley, as memórias para as atividades semelhantes são codificadas no mesmo neurônio e a mais recente substitui a lembrança original. Já as memórias para tarefas diferentes são armazenadas em regiões distintas do cérebro, permitindo que ambas sejam gravadas.

Os pesquisadores acreditam que apesar da complexidade do cérebro humano, o processamento das informações adquiridas acontece de forma parecida com o apresentado pelos caracóis. Por isso, alternar o aprendizado de diferentes ao longo de um dia é uma boa forma de reter na memória mais informações.

Estudar coisas diferentes: memória declarativa e de procedimentos

Existem dois tipos de memória, os neurocientistas as definem como memória de procedimentos (ou não declarativa) e memória declarativa (ou explícita). Cada uma delas é responsável por ações específicas em nosso cotidiano e estão localizadas em áreas distintas do cérebro.

Memória de procedimentos (ou não declarativa) é a memória dos procedimentos ou das ações que você realiza em seu dia a dia. Ela não pode ser declarada, você não sabe, mas a está usando o tempo todo. É a memória dos hábitos. Todas as vezes que você escova os dentes, dirige, anda de bicicleta e escreve é essa memória que está em ação.

Memória declarativa (ou explícita) é a memória que você é capaz de evocar por palavras ou ações. Todas as vezes que você se recorda de fatos ou informações ela entra em ação. Essa é a memória que você vai mais utilizar em seus estudos. Ela também está dividida em memória imediata, de curto prazo e de longo prazo.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem Somos

“Nosso foco é informar com senso crítico tudo o que existe de mais importante na área da segurança, saúde, emprego e do ir e vir do cidadão brasileiro.”