Saúde

Tecnologia põe em risco à saúde dos bebês

Nariene da Silva Xavier
Escrito por Nariene da Silva Xavier em 14 de fevereiro de 2020
Tecnologia põe em risco à saúde dos bebês

A tecnologia põe em risco a saúde, fala e linguagem dos bebês. Isso é o que aponta a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) que lançou na última terça-feira (11), um manual de orientação aos pais sobre os riscos à saúde de crianças e adolescentes com a exposição às telas, internet e redes sociais. O documento destaca a influência familiar no uso desregrado da tecnologia.

O manual aponta que a causa de alguns problemas sociais, geralmente, está associada à negligência ou deficiência na relação dos filhos com os pais e a família. Um dos exemplos é o uso das redes sociais pelos adolescentes como válvula de escape. Ele também estabelece novas indicações práticas para o uso de telas, como o limite máximo de duas horas de exposição para crianças entre 6 e 10 anos. Além disso, orienta que adolescentes com idades entre 11 e 18 anos fiquem, no máximo, três horas diante de telas, inclusive de videogames – os pais nunca devem deixá-los “virar a noite” jogando.


A SBP desaconselha o uso de telas por bebês: “O olhar e a presença da família é vital e instintivo como fonte natural dos estímulos e cuidados do apego e que não podem ser substituídos por telas e tecnologias”.

O atraso no desenvolvimento da fala e da linguagem é frequente em bebês que ficam passivamente expostos às telas, por períodos prolongados“, ressaltou a SBP.

A dependência dos jogos impede que enfrentem os problemas que contribuíram com este estresse tóxico e a liberação do cortisol. Isso cria um ciclo vicioso de ansiedade e depressão”, diz o manual.

O tecnoestresse se torna ainda mais problemático, causando alterações do comportamento, além de diversas outras doenças”, acrescentou.

Tecnologia põe em risco à saúde não só dos bebês

A SBP alerta que o brilho das telas contribui para o bloqueio da melatonina e para a prevalência cada vez maior das dificuldades de dormir.

Existe também o aumento do estresse pelo uso indiscriminado de fones de ouvido em volumes acima do tolerável. Essa atitude pode causar trauma acústico e perda auditiva irreversíveis, induzidos pelo ruído.

Embora os dispositivos tecnológicos sejam imprescindíveis para todas as idades, a tecnologia pode gerar além da insônia, outros sintomas como a ansiedade, alteração do apetite e irritabilidade. Os sinais que são negligenciados pelas pessoas podem desencadear em uma série de doenças que podem trazer prejuízos sociais e profissionais.

O segredo é usar com moderação

Os especialistas recomendam medidas simples para evitar que a tecnologia faça mais mal do que bem.

  • Evite usar esses dispositivos para lazer por mais de quatro horas por dia;
  • Faça pausas a cada 40 minutos para alongar o corpo ou caminhar um pouco, para evitar lesões;
  • Higienize os aparelhos com álcool isopropílico, de preferência diariamente;
  • Use aplicativos que estimulam atividades físicas, assim você mantém bons hábitos sem ficar longe do celular;
  • Silencie o smartphone durante o trabalho ou os estudos;
  • Evite usar aparelhos eletrônicos que emitem luz muito perto da hora de ir para a cama.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem Somos

“Nosso foco é informar com senso crítico tudo o que existe de mais importante na área da segurança, saúde, emprego e do ir e vir do cidadão brasileiro.”