Uso excessivo de celulares pode ser prejudicial às crianças

O uso excessivo de celulares e tablets causam diversos problemas em crianças de até 12 anos. E o acesso delas às novas tecnologias parece não ter freios. Antes a preocupação se limitava a que as crianças não ficassem tanto tempo em frente à televisão. Hoje existe uma grande preocupação dos pais em relação ao contato que as crianças têm, inclusive os bebês, com os smartphones e tablets.

Especialistas no tema alertam sobre o risco do uso desses aparelhos por bebês e crianças. A Associação Japonesa de Pediatria começou uma campanha para restringir o uso prolongado dos celulares e tablets, sugerindo controle e mais brincadeiras entre pais e filho. O órgão ainda revela razões pelas quais crianças menores de 12 anos não devem utilizar esses aparelhos sem controle.

De outubro de 2018 até setembro deste ano, passou de 23% para 30% a proporção de crianças entre 4 e 6 anos que possuem um celular próprio. Os números surpreendentes são da pesquisa “Crianças e smartphones no Brasil” feita pelas consultorias Mobile Time e Opinion Box. A ação mapeou a relação dos pequenos com os aparelhos.

Uso excessivo de celulares e tablets: entenda os motivos para limitar o acesso das crianças

Desenvolvimento cerebral das crianças 

A exposição excessiva às tecnologias pode acelerar o crescimento do cérebro dos bebês entre 0 e 2 anos de idade. Isso, juntamente com a função executiva. O uso excessivo das novas tecnologias pode contribuir para o déficit de atenção, diminuir a concentração e a memória das crianças.

Atraso no desenvolvimento da criança 

O excessivo uso das tecnologias pode limitar o movimento e consequentemente o rendimento escolar.

Obesidade infantil 

O sedentarismo que implica o uso das tecnologias é um problema que está aumentando entre as crianças.

Alterações do sono infantil 

Os estudos revelam que a maioria dos pais não supervisionam o uso da tecnologia pelos filhos nos quartos. Isso faz com que filhos tenham mais dificuldades para conciliar o sono. 

Doença mental 

Alguns estudos comprovam que o uso excessivo das novas tecnologias tem aumentado as taxas de depressão e ansiedade infantil, distúrbios do processo de vinculação entre pais e filhos.

Condutas agressivas na infância 

A exposição das crianças a conteúdos violentos e agressivos pode alterar a conduta. As crianças imitam tudo e a todos.

Vício infantil 

Os estudos demonstram que 1 em cada 11 crianças são viciadas às novas tecnologias.

Muita radiação

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica os celulares como um risco na emissão de radiação. As crianças são mais sensíveis a esses agentes e existe o risco maior de contrair doenças como o câncer. 

Superexposição 

A constante e superexposição das crianças à tecnologia as tornam vulneráveis, sujeitas a serem exploradas e expostas a abusos. 

Os especialistas concordam que ficar horas conectadas ao celular ou tablet é prejudicial ao desenvolvimento das crianças. Os estudiosos acreditam que geram crianças mais passivas e que não sabem interagir ou ter contato físico com outras pessoas.

Deixe uma resposta