Carnaval de Salvador: Fugitivo é preso após reconhecimento facial

Um fugitivo do sistema carcerário foi preso na última terça-feira (05), após ser flagrado pelas câmeras de reconhecimento facial no carnaval de Salvador (BA). Marcos Vinicius de Jesus Neri, de 19 anos, acusado de homicídio, era procurado pela polícia baiana há oito meses.

Ele possuía mandado de prisão em aberto, e ao ser flagrado por câmeras de segurança que usam a tecnologia de reconhecimento facial enquanto estava no circuito Dodô (Barra-Ondina), acabou sendo preso por policiais militares que efetuaram a revista.

O jovem que é da cidade baiana de Lauro de Freitas, esta localizada na região metropolitana de Salvador, era procurado desde julho do ano passado.  Dessa forma, Neri se tornou o primeiro fugitivo do sistema carcerário a ser capturado com o auxílio do reconhecimento facial. Tecnologia essa que foi recentemente implantada pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia.

Secretário destaca utilização da tecnologia de reconhecimento facial no Carnaval de Salvador

O gestor da Secretaria de Segurança Pública da Bahia, Maurício Teles Barbosa, fez questão de destacar o seguinte: “Enganaram-se aqueles que acharam que, por ser o último dia de festa, a secretaria iria baixar a guarda. Estamos atentos e o policiamento continuará intenso para garantir que os foliões brinquem em paz”.

Principais circuitos do Carnaval de Salvador contaram com o uso da tecnologia

Lançado no fim do ano passado, com tecnologia capaz de identificar criminosos, o projeto de vídeo policiamento foi utilizado pela primeira vez no carnaval de Salvador. O uso da tecnologia é uma novidade no país, esses equipamentos que foram espalhados nos três principais circuitos carnavalescos da capital baiana, sendo eles: Dodô (Barra-Ondina), Osmar (Campo Grande-Avenida Sete) e Batatinha, esse localizado no centro histórico.

De acordo com a secretaria, foram investidos mais de R$ 18 milhões, nos softwares de reconhecimento, agregando dessa forma, mais atividades ao videomonitoramento já utilizado. Além disso, a tecnologia também é empregada para localização de pessoas desaparecidas.

Para Barbosa: “O banco de dados das pessoas procuradas foi alimentado pela Superintendência de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública, priorizando, no caso dos criminosos, os mais perigosos e os que estão inseridos como cartas no Baralho do Crime”.

Deixe uma resposta