Promotoria denuncia suspeito de matar e guardar coração de travesti

O promotor de Justiça Luís Felipe Delamain Buratto denunciou um suspeito de cometer assassinato contra uma travesti. O crime ocorreu em Campinas-SP na última segunda-feira (21).

Após o homicídio, o suspeito teria ocultado o corpo e arrancado partes do pulmão e do coração. Além disso, o homem ainda teria furtado R$ 250 da vítima, segundo a promotoria, o crime foi cometido “por motivo torpe e com emprego de meio cruel.”

O suspeito foi denunciado com o agravante penal de subtrair parte do cadáver, além de furto. Dessa forma, o promotor pediu a manutenção da prisão decretada.

O argumento do promotor foi o seguinte: “O denunciado não aceita e repudia pessoas que possuem orientação sexual diversa da sua, tais sejam transexuais, homossexuais, etc.” Conforme verte da decisão dada em audiência de custódia, vazada nos seguintes termos: “Proferir palavras de reprovação e ódio a pessoas homossexuais ou transexuais, tal como era a vítima, resolveu assassinar alguém que possuísse tais características.”

A promotoria afirma que o homem “adentrou ao estabelecimento comercial, divisou a vítima, e resolveu abatê-la.” “Então, aguardou que todos os clientes fossem embora, para pôr em marcha seu plano.”

“Ele se apoderou de uma garrafa de vidro quebrada e de uma faca e passou a efetuar diversos golpes na cabeça e no pescoço da vítima, com tais objetos e com as próprias mãos, dando socos, facadas e batendo com a garrafa quebrada, provocando seu óbito”, ressaltou o promotor em denúncia.

Procurador reforça em denúncia o fato do suspeito ter retirado órgãos da vítima

Além disso, o promotor também relata que: “Ao atingir o resultado pretendido, a morte da travesti, o homem, que trabalhou como açougueiro, de maneira desumana e brutal, abriu o peito da vítima e retirou parte de seu pulmão e o coração, com escopo de levar o órgão para sua casa.”

“Na sequência, aproveitando-se da pouca vigilância em face do repouso noturno, o denunciado subtraiu a quantia armazenada no caixa do estabelecimento, que totalizada R$ 250, além de diversos bens no local, como carregadores para telefone celular, uma máquina fotográfica, um tablet, uma máquina de cortar cabelo e outros, evadindo-se logo em seguida, levando consigo o coração da vítima.” Conforme afirma o MP.

Denúncia descreve como o suspeito agiu de maneira torpe

“O crime de homicídio foi cometido por motivo torpe, eis que o increpado deu cabo da vida da vítima por odiar pessoas com orientação sexual diversa da sua, demonstrando sentimento abjeto e de repúdio por seres humanos que apresentam tais características, o que revela a torpeza do crime.” Salientou o procurador em denúncia.

Deixe uma resposta