Disque Denúncia recebeu 446 informações sobre violência contra mulher

O Disque Denúncia recebeu, só em 2019, no período entre 01 de janeiro e 14 de maio, 446 denúncias sobre esse tipo de caso. Além disso, as denúncias relatam abusos psicológicos, violências físicas, ameaças, privações de liberdade. Entre outros.

De acordo com a equipe de análise do disque denúncia, nesses casos, geralmente as mulheres são vítimas de companheiros ou ex-companheiros, além disso, familiares próximos. Tais como os próprios pais, tios, irmãos, primos. Da mesma forma, também é comum, em situações que as violências são praticadas pelos companheiros. Existirem relatos de coação a vítima, já que dependem financeiramente de seus agressores.

Baseado em dados do disque denúncia o Dossiê Mulher informou aumento de casos

De acordo com o Dossiê Mulher, divulgado neste ano, que, no entanto, diz respeito a dados de 2018. Houve registro de 121.077 casos. Dessa forma representando aumento de 8,22% em relação ao ano anterior. Desse modo, esse aumento aponta uma quebra na tendência de redução no registro histórico de casos.

Os maiores registros desse índice datam do ano de 2014. Já que naquele ano foram registrados 169.431 casos desse tipo de crime. Entretanto, desde então, havia uma tendência de queda, já que o índice caiu 34% entre os anos de 2014 até 2017.

Mulheres sofrem mais fisicamente segundo dados do Dossiê

De acordo com os dados informados pelo Dossiê. A maioria dos crimes que foram registrados no ano de 2018, ocorreram na capital. Dessa forma, foram registrados 45.494 casos, seguido assim pelo interior do estado, já que foram informados 36.223 casos. Além disso, a violência física é a mais comum. Com 35% de registros, seguido da violência psicológica com 31,2%, no entanto, o relato de delito mais frequente é o de lesão corporal com 41.344 casos.

Além disso, os relatos de casos de ameaça representam 37.423 registros. Grande parte dos casos ocorreram em fins de semana, dessa maneira sendo, 18% nos domingos e 15% nos sábados.

Mulheres brancas são maioria das vítimas de agressões

Em relação ao perfil da vítima, a maioria tem entre 30 e 59 anos, dessa forma sendo 54,2% de casos, seguido de mulheres com 18 a 29 anos, assim sendo, 30% de casos. Quanto ao nível educacional, boa parte das vítimas apresentavam ensino médio completo com 35,7%. Além disso, a maioria das vítimas era solteira 49,2% e de cor branca 46,8%.

Os maiores registros de violências ocorreram na residência da vítima, 59,4% dos casos, e a relação entre agressor e vítima, é de 23,5% de ex-companheiro e 22% nos casos que envolvem o companheiro.

Deixe uma resposta