Rio registra chuva mais forte dos últimos 22 anos

Rio de Janeiro – A cidade registrou entre a noite de segunda-feira (08) e a tarde de terça-feira (09) o pior temporal dos últimos 22 anos. Isso de acordo com os dados divulgados pelo Sistema Alerta Rio. Pelo menos seis bairros do Rio registraram recordes históricos do acumulado de água e são considerados os locais mais afetados.

Desse modo, os bairros que registraram recordes históricos de chuva são eles: Jardim Botânico, Rocinha, Vidigal, Alto da Boa Vista, Copacabana e em duas regiões da Barra da Tijuca, Barrinha e Riocentro.

Temporal deixou 10 mortos no Rio

O temporal que arrasou o Rio de Janeiro entre a noite de segunda-feira (08) e a tarde de terça-feira (09), deixou 10 mortos, sendo três vítimas encontradas dentro de um táxi que foi soterrado por deslizamento de terra, esse ocorrido na Avenida Carlos Peixoto, essa via liga Copacabana a Botafogo: o taxista Marcelo Tavares, e duas passageiras, Lúcia Neves de 63 anos e a neta, Júlia Neves de 6 anos.

Outra vítima foi o vendedor Leandro Pereira Ramos de 40 anos, que morreu eletrocutado no bairro de Santa Cruz, na Zona Oeste. Leandro limpava o ralo de sua casa quando foi vítima de um choque, de acordo com parentes.

Na Gávea, homem morreu afogado após ser arrastado por correnteza

Entre os mortos também está o sushiman Guilherme Fontes de 30 anos, segundo testemunhas, ele caiu de moto e morreu afogado ao ser arrastado pela correnteza formada na Avenida Marquês de São Vicente, na Gávea e ficar preso debaixo de um carro.

Sirenes da Defesa Civil do Rio não foram acionadas no Morro da Babilônia

As irmãs Gerlaine do Nascimento de 53 anos e Doralice do Nascimento de 55 anos morreram soterradas no alto do Morro da Babilônia, no Leme, Zona Sul do Rio. Segundo moradores, as sirenes da Defesa Civil não foram acionadas na região. Essa informação acabou sendo confirmada pelo Prefeito Marcelo Crivella.

O corpo de um homem, identificado como Gilson César foi encontrado também no Morro da Babilônia. Gilson teria tentado ajudar as irmãs Gerlaine e Doralice, que morreram na mesma comunidade.

Na comunidade de Antares em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, foi encontrado o corpo de Reginaldo Exidro da Silva, que morreu afogado e só foi encontrado por moradores. Além disso ainda entre os mortos, o corpo de um homem não identificado foi recolhido da enchente por volta de 16h30 da última terça-feira no bairro do Jardim Maravilha em Campo Grande.

Instituto de meteorologia e Sistema Alerta Rio registraram recordes históricos de volume de chuva

De acordo com o instituto Climatempo e do Sistema Alerta Rio, o bairro da Rocinha por exemplo, registrou em 24 horas o volume de 343,4 milímetros. A maior marca até então era de 304,6 milímetros, no início de abril de 2010. O temporal de 2010 foi considerado o pior em 44 anos á época.

O Sistema Alerta Rio listou os dez maiores recordes registrados, sendo oito desses atingidos no temporal que arrasou a cidade do Rio de Janeiro entre a segunda-feira (08) e terça-feira (09).

1 – Sumaré – 06/04/2010 – 360,2 milímetros

2 – Rocinha – 09/04/2019 – 343,4 milímetros

3 – Alto da Boa Vista – 09/04/2019 – 341,2 milímetros

4 – Barra/Barrinha – 09/04/2019 – 335,2 milímetros

5 – Jardim Botânico – 09/04/2019 – 334,4 milímetros

6 – Copacabana – 09/04/2019 – 329,4 milímetros

7 – Vidigal – 09/04/2019 – 312,2 milímetros

8 – Barra/Riocentro – 09/04/2019 – 311,4 milímetros

9 – Jacarepaguá/Cidade de Deus – 09/04/2019 – 289,6 milímetros

10 – Tijuca/Muda – 06/04/2010 – 286,0 milímetros

Deixe uma resposta