Tecnologia

Inadimplência registra queda no País, segundo Serasa

Nariene da Silva Xavier
Escrito por Nariene da Silva Xavier em 17 de outubro de 2020
Inadimplência registra queda no País, segundo Serasa

A inadimplência registrou queda no País durante a pandemia, os dados são da Serasa Experian. Em julho, último dado disponível, 63,5 milhões estavam inadimplentes – 2,5 milhões de pessoas a menos em relação a abril, quando o país parou por causa da covid-19.

Segundo especialistas, esse quadro surpreendente é resultado direto do auxílio emergencial, dos programas de socorro às pequenas e microempresas e também da taxa de juros no piso histórico. No auge da pandemia, as instituições financeiras também permitiram o adiamento dos pagamentos por 60 dias.

De acordo com a publicação, o dado positivo é resultado das medidas do governo para mitigar os efeitos da crise econômica, como:

  • auxílio emergencial pago aos mais vulneráveis;
  • programas de socorro às pequenas e microempresas;
  • taxa de juros no mínimo histórico, 2% ao ano.

As instituições financeiras também postergaram R$ 110,5 bilhões em dívidas durante a pandemia, em 1 total de 14,2 milhões de contratos, segundo a Febraban  (Federação Brasileira de Bancos).

A queda da inadimplência é algo inédito“, afirma o economista Luiz Rabi, da Serasa Experian, empresa que monitora a situação financeira de consumidores e empresas no País, para o site Correio Braziliense. Em julho, último dado disponível, 63,5 milhões de brasileiros estavam inadimplentes, segundo pesquisa da Serasa. São 2,5 milhões de pessoas a menos em relação a abril, quando o País parou por causa da covid-19. Também o número de empresas com dívidas em atraso recuou em julho para o menor nível do ano: 5,8 milhões. É exatamente a mesma quantidade de companhias inadimplentes registrada em julho do ano passado.

Os brasileiros que perderam renda estão pendurados hoje no auxílio emergencial, que tem data e hora para acabar (no fim de dezembro).” Se até o fim do ano o quadro for ainda ruim para o emprego, a inadimplência da pessoa física pode subir e resvalar na pessoa jurídica, que não vai receber os créditos em dia. “A inadimplência está represada, não está extinta“, concluiu Rabi.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem Somos

“Nosso foco é informar com senso crítico tudo o que existe de mais importante na área da segurança, saúde, emprego e do ir e vir do cidadão brasileiro.”