TV por assinatura x Streaming: descubra quem está ganhando

A guerra da TV por assinatura x Streaming resulta numa grande migração de clientes de uma plataforma para outra. Segundo relatório divulgado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a TV por assinatura perdeu 1,7 milhões de assinantes em 2019. Enquanto, o Streaming ganhou assinantes por ser mais em conta.

Há vários fatores que podem ter desencadeado a crise da TV por assinatura. Um deles é a chegada do sinal digital no Brasil. Antes, os clientes tinham TV por assinatura apenas para terem um sinal melhor de televisão, uma vez que era analógico. Agora, os consumidores não precisam de uma assinatura para ter os canais abertos em HD.

Assim, o relatório da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mostrou que a queda dos assinantes acontece desde 2015. Mas, no ano passado, foi significativo. A Claro/NET, por exemplo, teve 49,2% de participação dos clientes, ficando abaixo dos 50% de market share. Seguida da Sky com 29,7% e da Oi e da Vivo, com 9,6% e 8,4%, respectivamente. TVs de ação local ou concessões de canais religiosos fecham o ranking com 3,4%.

Por outro lado, está a audiência. Afinal, quanto menos contratos, menor é a audiência dos canais “fechados”. O ibope da TV por assinatura caiu em aproximadamente 10% no ano de 2019. A porcentagem é a mesma registrada no número da base de assinantes, que também reduziu em 10%.

Migração TV por assinatura x Streaming

Pelo fato de oferecerem conteúdo específicos, serem mais baratos e mais próximo aos gostos dos consumidores, as empresas de Streaming tendem a obter um número maior de assinantes. E, portanto, a guerra entre TV por assinatura x Streaming é concretizada com a evasão de clientes.

Assim sendo, um ponto principal de evasão, é a questão do preço. Enquanto um pacote que atende o básico de canais em uma TV por assinatura custa, em média, R$ 200 mensais, serviços como Amazon Prime VideoNetflix e Globoplay, por exemplo, não chegam a R$ 100, isso quando somados.

Dessa forma, por serem mais em conta para os brasileiros e oferecerem um conteúdo melhor trabalhado às preferências do público, plataformas de vídeo sob demanda (VOD) ou Streaming acabam tomando o lugar da TV por assinatura. E a tendência é que isso continue, haja vista que novos serviços devem chegar este ano em caráter oficial, como o Disney+.

Ademais, outro ponto a ser analisado, é a questão da pirataria. A estimativa oficial é a de que pelo menos 7 milhões de brasileiros têm acesso a canais e programas pagos das TVs por assinatura por meio de pirataria de sinal. O caso mais óbvio é a oferta das chamadas “IPTVs”, pequenos receptores onde são instalados acessos a servidores que roubam o sinal de empresas de TV por assinatura, exibindo gratuitamente até mesmo os canais pay per view. Além disso, ainda há o “gato”, que já é uma instalação direta de pirataria de sinal.

Deixe uma resposta